Frases de Michael Ende

tumblr_inline_ncfi37AOJv1sqdy9g

Estas frases foram coletadas e traduzidas por mim. Michael Ende é um dos meus autores favoritos, mais conhecido pelo livro A História sem Fim.

Quem paga manda. Uma vez que todo o nosso desenvolvimento nas áreas tecnológicas e científicas estão sendo pagas por institutos econômicos e para fins militares, um tipo muito distinto de ciência natural tem sido criado e aplicado numa velocidade tremenda.

 

As vítimas de nossos sistemas são os povos do Terceiro Mundo e a natureza. Eles têm que pagar a conta. Eles são explorados de forma imprudente para que o sistema continue funcionando. Para investir dinheiro do modo mais rentável possível, de modo que o capital cresça, eles têm que pagar a conta, pois, naturalmente, esse crescimento não vem do nada.

 

Na minha interpretação, a novidade é que reconheço que Goethe descreve a economia moderna como um processo alquímico, contra o qual ele insistentemente adverte: em especial quando falamos de criar ouro, criar dinheiro e do dinheiro criando experiências… Aqui reside uma parte essencial da mensagem de Goethe em Fausto: A alquimia não é uma superstição medieval. Está sendo praticada mais do que nunca, e hoje ela experimenta com o mundo como um todo, e este experimento alquímico gigantesco é chamado de “economia moderna”… O que está acontecendo na economia hoje? Algo simplesmente “cresce” por algo que está “sendo adicionado”. Estranho apenas que em nenhum lugar algo está diminuindo. Esta é exatamente a alquimia, a continuação do processo de criação a partir do nada.

 

Nos antigos espaços culturais do mundo havia um templo, uma igreja ou uma catedral em seu centro. Daí vinha a ordem da vida. Em cada grande cidade moderna há um banco em seu centro. Em minha versão de O Flautista de Hamelin, eu tentei retratar isso como uma espécie de culto demoníaco, onde o dinheiro é algo para o qual se reza como algo sagrado. Está até sendo expresso lá em palavras que é “Deus”. Ele faz milagres, porque a multiplicação do próprio dinheiro é um milagre. Afinal, as relações ali são com uma milagrosa multiplicação do dinheiro. Ele tem o caráter de perpetuidade. Mas se há alguma coisa que é puramente artificial, é o dinheiro.

 

Só sei que tudo começou com Silvio Gesell, que foi um dos primeiros a rachar a cabeça. Ele fazia parte do Conselho Republicano da Baviera logo após a Primeira Guerra Mundial. Por exemplo, ele disse: “o dinheiro deve envelhecer”. Ele disse que as coisas tem que ser organizadas de tal forma que o dinheiro desapareça no final do processo econômico.

 

Se a razão não motiva o homem a mudar alguma coisa, então ela virá por meio de eventos. Mas eu acredito que a humanidade vai levar um belo tapa na cara, que vai soar em seu ouvido durante os séculos vindouros.

 

Apesar da palavra sagrada dos povos sobre banir a guerra para sempre, apesar do apelo dos milhões dizendo “guerra nunca mais”, contra todas as esperanças para um futuro melhor, devo dizer: “Se o sistema monetário atual, a economia de interesse, for mantida e continuar, então eu ouso dizer que não vai demorar 25 anos até que enfrentemos outra guerra ainda mais horrível.

 

Eu considero minhas oportunidades como escritor, que são muito fracos, somente a partir deste ponto de vista. Estou tentando pensar pensamentos, desenvolver a imaginação, que pode ser útil para aqueles que sobrevivam aos eventos e não estão sob o feitiço de repetir o mesmo erro. Uma espécie totalmente diferente da sociedade vai crescer depois disso.

 

Talvez não haja nada mais irritante para o ocidental de mente lógica do que se envolver com alguém, quanto mais uma nação inteira, que não se comporta de uma maneira “razoável”. Para os ocidentais, as pessoas que permitem que suas emoções direcionem uma parte substancial do seu comportamento são suspeitas e não são de confiança para qualquer coisa de importância. Quando o emocionalismo vai além de um nível muito baixo nós o consideramos como insanidade. […] Talvez seja uma combinação de xintoísmo e zen-budismo que crie a capacidade do japonês de sentir-se confortável tanto com a emoção quanto com a razão, com a emoção não substituindo a razão. O fator zen no pensamento japonês lhes dá uma vantagem considerável em ser capaz de distinguir entre a realidade e o irreal ou o imaginado. O olho zen vê além da fachada, vê o núcleo da coisa.

Para mais informação sobre Michael Ende

Autor: Janos Biro

Você não existe, e eu também não.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s